Há décadas luto pela inclusão

Escrito por Lígia Fleury

Quero mesmo expressar o que EU sinto.

Quando fazia meu Pós em Psicopedagogia, nos idos de 80, vivi uma situação repugnante e hoje, tenho certeza, foi a gota d’água para me colocar a serviço da INCLUSÃO.

Foi na escola em que fiz estágio e na escola em que eu estudei no antigo Primário. Eu tinha minhas melhores referências para escolher estagiar ali. A volta ao passado me trazia boas e doces lembranças. Mal sabia eu que ali meu futuro seria mesmo marcado por um propósito na Educação.

O fato: havia um aluno com 12 anos em uma classe de 4ª série – atual 5º ano. Levado, adorava ficar na velha e enorme árvore do pátio. Filho de uma prostituta e caçula de 8 filhos, era inteligente, levado, alegre.

Naquele dia, Vavá- vou chamá-lo assim neste relato, fugiu da aula e subiu na antiga árvore de troncos bem enormes . Ninguém o tirava de lá. Quando desceu, e foi porque ele quis descer , veio o castigo em alto e bom som: “ Vavá, você assistirá, por um mês, aula na sala especial”. 

Jamais esquecerei minha revolta.

Eram tempos em que os estudos engatinhavam na busca pela decente e eficaz INCLUSÃO; havia as classes ditas “especiais” para todos os alunos com com comprometimento neurológico, motor, intelectual. Tudo junto-me misturado, no espaço só para eles. 

Eu era 32 anos mais nova do que hoje, mas já tinha 10 anos de experiência enquanto Professora.

Sabia que ali havia, no mínimo, 4 enormes erros:

1) a compreensão de que sala especial seria castigo;

2) expor um aluno em público ;

3) não chamar a família para o diálogo;

4) não haver uma proposta efetiva de ações para que Vavá superasse suas dificuldades.

“ Serei pela INCLUSÃO. Serei pela EDUCAÇÃO “. E hoje, me vejo chorando de tristeza.

Nestes anos de muito trabalho, de deliciosas horas debruçada em palavras, vídeos, palestras, cursos, vivi a linda caminhada da inclusão.

Criei uma frase para o trabalho inclusivo “ INCLUSÃO só deixará de existir quando o mundo corporativo passar a contratar pela competência e não mais pela aceitação das dificuldades”.

Lutei minha vida inteira – e continuo, para que alunos sejam iguais nas suas diferenças; para que as dificuldades sejam superadas pelas habilidades.

Quantos encontros com familiares para mostrar que ninguém é igual a ninguém!

Quantas formações para orientar Professores na elaboração de atividades cotidianas para desafiar a todos, com a máxima “ cada um aprende de um jeito”!

Vivi cenas lindas, de crianças levando crianças e jovens cadeirantes aos diferentes espaços.

Situações lindas. Dentre tantas e tantas, levamos um adolescente de 12 anos, cadeirante, sem pernas e braços , para um acampamento ! Quem cuidava dele? Seus colegas. A função dele? Ensinar aos colegas como fazerem para que ele se alimentasse, brincasse, participasse. Subiu morro, nadou…jogou futebol com adaptações feitas pelos nobres Professores e maravilhosos colegas.

E que tal autistas se comunicando conosco? Um deles, por dois anos, não conseguia entrar em sala sem me dar bom dia!

Um microfone e um autista é igual a música para todos!

Um down em viagem internacional e seus colegas resulta em cooperação e aprendizagem, boas risadas e autonomia.

Deficientes auditivos e sua turma: aprender a leitura labial e estudar juntos. Silêncio e respeito.

Hiperativo, TDAH, disléxico … tempos diferentes, experiências diversificadas.

Falamos tanto em empatia . Percebe o leitor que o principal ingrediente que move estas posturas é a empatia?

E depois de conseguirmos PROVAR que os espaços devem ser para todos, que a VIDA é direito de todos,  vem o retrocesso.

Conquistamos tanto e agora a sensação de nadar, nadar, nadar e morrer na praia.

Por que?

Porque um decreto autoriza que estudantes com questões inclusivas sejam separados dos demais.

Quantos “ Vavá “ teremos de volta?

Vamos lutar juntos pela INCLUSÃO, pelo amor de Deus, seja seu Deus como você acreditar.

Vamos lutar juntos pelas crianças, adolescentes e adultos inclusivos , sejam eles quais forem.

Vamos juntos porque a EDUCAÇÃO precisa de nós. O Brasil precisa da INCLUSÃO. O mundo sem fronteiras precisa da INCLUSÃO.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: