Adaptar aparelho de audição vai fazer minha perda perder a progressão?

O sistema auditivo humano começa sua funcionalidade a partir da 22º semana de gestação, e os primeiros sons que o feto percebe são ruídos, de baixa frequência, gerados pelo trato digestivo e sons maternos transmitidos através dos ossos do esqueleto, além do som rítmico do coração. Esses sons intrauterinos são os que fazem com que o bebe nasça com tendência a procurar ruídos em sua volta.  Assim os sons, principalmente da mãe e do seu ambiente de convívio, vão determinar o registro cerebral das primeiras vivências do bebe e irão moldar suas escolhas e percepções sonoras futuras.  

A cóclea humana apresenta-se totalmente funcionante ao nascimento, porém o sistema auditivo central é inicialmente imaturo e, durante a infância e adolescência, há seu amadurecimento, por meio de bilhões de conexões e sinapses em formação. Para essas sinapses sonoras acontecerem e se manterem, precisamos dos estímulos sonoros externos. 

A deficiência auditiva é definida como privação sensorial que se caracteriza pela reação anormal diante de estímulos sonoros. Com essa privação auditiva, o cérebro não consegue processar corretamente sons baixos e a maneira como passa a compreender a fala é modificada, por isso nossa atenção deve ser maior para as crianças com perda de audição antes da formação da linguagem, também chamada de perda pré-lingual. 

Deu para perceber então que, na deficiência auditiva, não temos apenas uma audição prejudicada, temos todo um processamento do som no cérebro afetado, e essa privação, quando continua e por tempo prolongado faz as sinapses se reduzirem e a plasticidade se deteriorar. 

Em estudos, pesquisadores observaram que a perda auditiva acelera o declínio cognitivo dos adultos, mas o aparelho auditivo restaura a habilidade de comunicação e reconhecimento de fala dos idosos e assim melhora o humor, as interações sociais e as atividades de vida diária, o que consequentemente desacelera a declínio cognitivo já esperado nessa fase da vida. 

Assim, pensando que nosso sistema central precisa de estímulos sonoros para manter a plasticidade auditiva, os aparelhos auditivos e implantes cocleares ajudam a manter as vias neurais no cérebro, facilitam a habilidade de comunicação, melhoram as interações sociais e consequentemente levam a uma desaceleração da progressão da perda no reconhecimento de fala e sentenças. 

Quanto mais cedo a protetização e adaptação for iniciada, maiores são as chances do paciente se acostumar com o aparelho e evitar a progressão da perda de suas habilidades de vida cotidianas. Por isso aceite suas dificuldades e procure o mais rápido possível ajuda do especialista.

Bibliografia

. Bruckmann M, Pinheiro MMC. Efeitos da perda auditiva e da cognição no reconhecimento de sentenças. Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC – Florianópolis (SC), Brasil., 2015

. Ramires CMN, Barreiro FCAB, Peluso ETP. Fatores relacionados à qualidade de vida de pais de crianças com deficiência auditiva. Ciênc. saúde colet. 21 (10) Out 2016 • https://doi.org/10.1590/1413-812320152110.224720

Academia Brasileira de Audiologia. Tratado de audiologia.2 ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2015.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: