Implante Coclear e Ressonância Magnética, esportes, sistemas de segurança e outras situações especiais

O implante coclear é um dispositivo formidável, capaz de devolver a audição e a qualidade de vida para pessoas com perdas auditivas importantes. 

Tanto no processo de indicação do implante coclear quanto no período pós-operatório, a quantidade de informações passadas pelo médico e pela equipe de fonoaudiologia é imensa!

Esse  artigo foi preparado com muito carinho, nele eu vou te ajudar com dicas e orientações bem práticas, nas principais situações que merecem cuidados especiais, para o usuário de implante coclear.

Boa leitura e vamos lá!

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

A ressonância magnética é um exame de imagem muito utilizado na prática médica– é muito provável que todos nós precisamos realizar uma ressonância magnética em algum momento de nossas vidas.

 A ressonância magnética é aquele exame que você se deita em uma maca, que desliza para o interior de um tubo. Durante a realização do exame o aparelho emite diversos tipos de ruídos.

O aparelho de ressonância magnética cria um potente campo magnético, devido à presença de poderosos ímãs em seu interior. É um exame não invasivo que gera imagens a partir da emissão de ondas de radiofrequência  sob a influência do campo magnético. Essas imagens geradas são muito detalhadas e com uma excelente definição, por esse motivo a ressonância magnética é uma ferramenta valiosa para determinar diagnósticos e para acompanhamento de algumas doenças.

A intensidade do campo magnético é medida em Tesla (T) e, a maioria dos aparelhos disponíveis têm entre 1,5 – 3,0 Tesla. Quanto mais forte o campo magnético, melhor a definição da imagem gerada. Sabemos que a unidade interna do implante coclear (aquela que fica por baixo da pele) possui um imã. Portanto, é esperado que ocorra uma interação com o ímã do aparelho de ressonância magnética.

Mas afinal quais são os riscos de se realizar a ressonância magnética com o implante coclear?

Devido a interação entre os imãs o implante pode esquentar, se mover ou até mesmo desalojar do local de origem.

A boa notícia é que os aparelhos de implante coclear evoluíram muito recentemente e  é possível realizar o exame de ressonância magnética de até 3,0 Tesla, com segurança. Isso graças à avanços de engenharia que permitem que os imãs do implante se movam internamente e se alinhem com os ímãs do aparelho de ressonância.

É importante frisar que dependendo do ano de fabricação do seu aparelho, é possível que ele tolere campos magnéticos de até 1,5 Tesla. Em muitos casos é necessário enrolar uma bandagem ao redor da cabeça, com uma tala sobre a região do implante, para evitar qualquer deslocamento do dispositivo.

Em último caso, é possível a remoção do ímã para a realização do exame através de um pequeno procedimento cirúrgico. Após a realização do exame o imã é recolocado em seu local de origem. 

Dessa forma, sempre comunique seu médico otorrino (que executou a cirurgia do implante coclear) para verificar quais cuidados você deve tomar. Essa interação entre médico e paciente é fundamental!! Buscar informações com a empresa fabricante do implante também é interessante. Todas elas possuem manuais de recomendações que devem ser consultados antes da realização do exame. 

Outra particularidade do implante coclear é o artefato. Calma, eu explico!! O artefato é uma sombra que forma na imagem do exame, localizada na região ao redor da unidade interna do  implante coclear. Essa sombra dificulta a avaliação das estruturas que estão ao redor do implante. Portanto se seu médico solicitou uma ressonância magnética para avaliar, por exemplo, uma região do cérebro próxima ao implante, é muito provável que não seja possível visualizar essa região. 

Caso seja fundamental a avaliação dessa região específica e, não haja nenhum outro exame de imagem que possa substituir a ressonância magnética (como a tomografia computadorizada, por exemplo) é possível a remoção do ímã antes da realização do exame, conforme comentado anteriormente. A remoção do ímã diminui consideravelmente a sombra gerada na imagem.

Já que falamos de tomografia computadorizada, aproveito para falar que não há nenhum impedimento para fazer esse exame, como também o exame de Raio-X, em usuários de implante coclear. 

Lembre-se sempre de tirar o processador de fala (a parte externa do implante coclear) antes de entrar na sala onde o exame de ressonância magnética é realizado. 

DICAS PRÁTICAS:

Pode ser que na clínica onde você for fazer o exame de ressonância, as pessoas não estejam familiarizadas com o implante coclear. Portanto algumas dicas vão ajudar bastante:

  • Obter informações com o seu médico otorrino de qual modelo de implante coclear você utiliza.
  • Solicitar ao fabricante do implante o manual de orientações – do seu modelo de implante- para realizar ressonância magnética. Esses manuais, muitas vezes, estão disponíveis na internet. Ter o manual em mãos ajuda muito!!
  • Tirar o processador de fala antes de entrar na sala do exame. Isso é importante! A parte externa do implante coclear pode ser danificada se exposta ao campo magnético.
  • Explicar para o técnico de radiologia que você não poderá escutar durante a realização do exame. Portanto, todas as orientações devem ser passadas antes de você entrar na sala onde o exame será realizado.
  • Mantenha a calma! O exame de ressonância é indolor! Durante todo o exame você ficará com um dispositivo com um botão em sua mão e caso não se sinta bem, basta apertar o botão e o exame é interrompido imediatamente.

ESPORTES

Os benefícios da prática esportiva são inúmeros: melhora da capacidade cardiovascular, prevenção de uma série de doenças, redução  do estresse e frustração e aumento da autoconfiança. Esportes de equipe ajudam com a autoestima e ensinam respeito pelos outros. 

Ao passo que o desenvolvimento físico vai melhorando através do esporte, a linguagem e as habilidades auditivas também melhoram.

E o mais importante! Geralmente, ter um implante coclear não afeta a capacidade de praticar esportes!! Algumas precauções são necessárias a depender da prática esportiva, vamos ver alguma situações:

Esportes aquáticos

As empresas fabricantes de implante coclear disponibilizam dispositivos que protegem o processador de fala do contato com a água.

Com óculos de natação ou máscara de mergulho, certifique-se de que o elástico não esteja muito apertado no local do implante sob a pele.

Para o mergulho de cilindro o ideal é remover o processador de fala  e é recomendado não ir em profundidades abaixo de 20m, pois a pressão pode danificar o implante.

Esportes sem  contato físico

Esportes como tênis, corrida e musculação o processador de fala pode ser usado sem problemas. Existem bandanas para prática de esportes que acomodam os processadores de fala firmemente ao redor da cabeça.

Outras alternativas: braçadeira que acomoda o processador de fala; colar para ser usado ao redor do pescoço. É conveniente informar-se com o fabricante do seu implante coclear sobre as alternativas disponíveis. 

Qual método escolher vai depender muito da prática esportiva e da preferência pessoal.

Esportes com contato físico

Esportes com contato como futebol e basquete podem ser praticados com uma espécie de capacete para evitar traumas no local do implante. Quanto ao uso do processador de fala ele pode ser usado ou não.

Artes marciais e esportes de luta como boxe, karatê, jiu-jitsu podem ser praticados, porém é prudente sempre utilizar um capacete protetor para proteger o implante e o processador de fala não deve ser utilizado. Caso ocorram muitos traumas na cabeça durante a prática esportiva, é desaconselhável que se pratique tal modalidade. 

Esportes que exigem o uso de capacete como rafting e ciclismo deve-se  obviamente utilizá-lo. Fazer adaptações caseiras no capacete não é aconselhável. Procure utilizar um modelo que se adapte bem na sua cabeça e ainda sim permita o uso do processador, caso deseje utilizá-lo durante a prática esportiva.

O uso do desumidificador é muito importante!! O suor da atividade física pode danificar os componentes do processador de fala. E, lembre-se sempre de se aconselhar com seu médico!

SISTEMAS DE SEGURANÇA E DETECTORES DE METAIS

Esses aparelhos estão presentes normalmente em aeroportos e bancos e produzem fortes campos eletromagnéticos. Os materiais usados no implante coclear podem ativar os sistemas de detecção de metal. 

 O mais prudente nessas situações é solicitar a revista manual. Apesar de ser  pouco provável que ocorra algum dano ao implante. Desligue o processador de fala quando estiver próximo de dispositivos de sistemas de detecção de metal e roubo. Pode ser que você perceba uma sensação de som distorcido ao passar por esses dispositivos ou em suas proximidades. 

Lembre-se: esteja com o cartão de identificação de paciente de implante coclear em todos os momentos.

VÔOS DE AVIÃO

Algumas companhias aéreas solicitam que os passageiros desliguem dispositivos elétricos portáteis durante a decolagem e a aterrissagem ou sempre que o sinal de apertar os cintos estiver aceso. Seu processador é considerado um dispositivo eletrônico portátil médico.

Notifique os funcionários da companhia aérea que você está usando um sistema de implante. Eles podem então informar a você quais as medidas de segurança adequadas, que podem incluir a necessidade de desligar seu processador.

É solicitado que dispositivos de transmissão, como celulares, sejam desligados dentro da aeronave. Se você tiver um controle remoto (ou assistente remoto) para o processador, desligue-o antes da decolagem. O controle remoto transmite ondas de rádio de alta frequência quando ligado.

ELETRICIDADE ESTÁTICA

Antes de participar de atividades que possam criar uma descarga eletrostática (ESD) extrema, tais como brincar em escorregadores de plástico ou piscina de bolinhas, remova o processador. Em raros casos, a descarga de eletricidade estática pode danificar os componentes elétricos do sistema de implante coclear ou corromper o programa do processador. 

Se houver eletricidade estática (por exemplo, ao colocar ou remover roupas sobre a cabeça ou ao sair de um veículo), os usuários de implantes cocleares devem tocar em alguma coisa condutiva, como uma maçaneta de metal, antes que o sistema de implante coclear entre em contato com alguma pessoa ou objeto. 

A maioria dos processadores de fala mais modernos tem um revestimento para evitar esse tipo de situação.

RADIOTERAPIA

 Também conhecida como  terapia de radiação ionizante, um tratamento utilizado para tratar alguns tipos de tumores. Não se pode utilizar  terapia de radiação ionizante diretamente sobre o implante. Pode causar danos ao implante.

ELETROCAUTÉRIO

Este é um dispositivo médico, também conhecido como bisturi elétrico ou cautério monopolar, muito utilizado em cirurgias. O risco nestes casos é que as correntes de frequência geradas pelo eletrocautério, possam fluir pelos eletrodos do implante coclear gerando dano às estruturas ao seu redor.

Desta forma o mais seguro é utilizar o cautério bipolar. Neste dispositivo a corrente induzida dissipa-se para uma área bem mais restrita.

DIATERMIA

Diatermia é um tratamento muito utilizado por fisioterapeutas que consiste na geração de calor em tecidos profundos. Não use diatermia (termopenetração) médica ou terapêutica por radiação eletromagnética (micro-ondas ou bobinas de indução magnética). As altas correntes induzidas no cabo do eletrodo podem causar danos ao tecido da cóclea/tronco encefálico ou danos permanentes ao implante.

A diatermia médica usando ultrassom pode ser usada abaixo da cabeça e pescoço.

NEUROESTIMULAÇÃO

Também conhecida como neuromodulação é um tratamento médico que, por meio da aplicação de estímulos eletromagnéticos, altera e corrige desequilíbrios de atividade cerebral, característicos de algumas disfunções neurológicas.

Devido a energia de radiofrequência poder ser transmitida ao implante e induzida nos cabos do eletrodo gerando um fluxo de alta corrente podendo causar danos graves ao implante ou ao tecido circundante. Além disso, o ímã do implante interage com os campos de estimulação magnética., portanto este tipo de tratamento está contraindicado em usuários de implante coclear.

TERAPIA ELETROCONVULSIVA

Também chamado eletroconvulsoterapia é um tratamento psiquiátrico no qual são provocadas alterações na atividade elétrica do cérebro induzidas por meio de passagem de corrente elétrica. 

Não use terapia eletroconvulsiva  em nenhuma circunstância. A terapia eletroconvulsiva pode causar danos ao tecido ao redor do implante ou ao próprio implante.

TERAPIA POR ULTRASSOM

Não use níveis terapêuticos de energia de ultrassom diretamente sobre o implante. A concentração indesejada do campo de ultrassom pode ocorrer e causar danos ao tecido ou ao implante.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: