Entendendo os diferente níveis tecnológicos dos aparelhos auditivos

A escolha das características eletroacústicas nos aparelhos auditivos, é um dos pontos  primordiais no processo de adaptação dos mesmos, uma vez que o dispositivo que tem  mais recursos tecnológicos, poderá oferecer favorecimento para discriminação auditiva,  principalmente em ambientes ruidosos. Observa-se que a relação custo/benefício dos  aparelhos auditivos está diretamente associada à quantidade de recursos tecnológicos  que cada aparelho possui, por exemplo, quanto mais recursos tecnológicos um  determinado modelo de aparelho auditivo possuir, maior será o seu custo financeiro.¹,2 

Uma pesquisa, realizada por Cox et al. (2016) relata que a utilização dos aparelhos  auditivos, independentemente do tipo básico ou mais sofisticado, melhorou a qualidade  de vida dos participantes do estudo. Verificou-se também que não houve diferenças  significativas entre os aparelhos auditivos básicos e avançados pertencentes às  empresas fabricantes pesquisadas.3  

Porém, devemos ficar atentos a outros fatores, que podem facilitar a aceitação e  adaptação aos aparelhos auditivos. Cada fabricante de aparelho auditivo oferece  “famílias” de aparelhos auditivos, incluindo três a quatro modelos que funcionam em  níveis sucessivamente mais sofisticados, níveis de tecnologia. À medida que o nível de  tecnologia aumenta, aumentam os recursos e o custo. Atualmente, aparelhos auditivos  modernos oferecem processamento de sinal digital destinado a melhorar os resultados  em uma variedade de ambientes de escuta. Algumas características comuns são:  compressão multicanal que permite ajuste da amplificação em várias bandas de  frequência; microfones direcionais que podem melhorar a relação sinal-ruído,  amplificando o som da frente mais do que o som de outras direções; e algoritmos de  redução de ruído que agem para reduzir o ganho de ruídos indesejados.3  

Aparelhos auditivos no nível básico (mais baixo) de tecnologia normalmente incluem  uma versão de cada uma dessas características. Sendo assim, os de nível avançados  (mais alto) são mais complexos, automáticos e adaptativos. Pode parecer óbvio que  quanto mais recursos avançados um aparelho auditivo tiver, mais benefícios o usuário  receberá na vida diária. No entanto, maior benefício na vida real dos recursos avançados  não foi estabelecido por pesquisas independentes. É concebível que as dificuldades de  alguns pacientes possam indicar a necessidade de recursos avançados, enquanto outros  podem não ter tanto benefício, sendo importante considerar um aparelho auditivo com  melhor custo-benefício a partir de recursos, para tais pacientes.  

Não surpreendentemente, pacientes muitas vezes perguntam sobre a diferença no  mundo real, e o que eles poderiam esperar entre dispositivos de recursos avançados e  básicos, porque, como Kochkin e Rogin (2003) apontaram, “a maioria dos consumidores simplesmente não entendem a conexão entre a audição e características que são  comercializadas e o impacto no seu dia a dia.” Como resultado, os profissionais tendem  a usar analogias como “é como comparar DVDs com fitas de vídeo”, ou “é como ter uma  câmera com 1 megapixel versus 4 megapixels”.4  

Para atender as necessidades dos pacientes, os fonoaudiólogos devem ter acesso a  evidências baseadas sobre as melhorias do mundo real que podem ser entregues pelos  aparelhos de recursos básicos e avançados.  

A melhora da audição não se limita a ter compreensão da fala. Foi proposto que a  melhoria ao acesso a dicas de fala, com processamento avançado aplicado por aparelhos  auditivos avançados também podem reduzir o esforço necessário para a compreensão  da fala em escuta difícil e fadiga resultante desses esforços. Além disso, tem sido  sugerido que o processamento de aparelhos auditivos avançados podem facilitar a  audição e reduzir o esforço mesmo quando as melhorias na audição não são percebidas,  mesmo usando testes de reconhecimento de fala. Para alguns recursos, como redução  de ruído digital, não é esperado melhorar na compreensão da fala, mas na redução de  esforço auditivo. O benefício da redução de ruído digital, para reduzir o esforço auditivo,  foi demonstrado sob algumas condições. Embora seja razoável esperar que a  audibilidade com aparelhos auditivos de recursos avançados reduziria ainda mais o  esforço auditivo em comparação com a audição com aparelhos auditivos de recursos  básicos, não foram encontradas evidências pendentes que demonstraram uma melhor  audibilidade resultante do esforço auditivo, usando as versões avançados e básica de  qualquer um dos aparelhos auditivos estudados.5,6,7,8 

Além disso, nas últimas duas décadas, as modernas tecnologias digitais de aparelhos  auditivos fez avanços consideráveis tanto no design de aparelhos auditivos quanto em  sua montagem. Uma série de tecnologias ou recursos que se destinam a melhorar a  localização do som foram desenvolvidos. Eles podem ser categorizados como microfone  direcional adaptativo ou tecnologias de sincronização binaural.9 

Microfones direcionais (MD) adaptáveis são projetados para serem mais sensíveis aos  sons de uma direção desejada e menos sensível a ruídos emitidos de outras direções.  Embora não sejam normalmente projetado para melhorar a localização, a melhoria da  relação sinal-ruído pode aumentar a audibilidade do sons e isso poderia melhorar a  capacidade de localização.9 

Medidas laboratoriais mostraram que MD com padrões polares cardióide,  hipercardióide e supercardióide melhoram o desempenho de localização de ouvintes  com deficiência auditiva em comparação com microfones omnidirecionais (Chung et al.  2008). Microfones direcionais adaptativos podem ser categorizados como de canal  único ou multicanal. Microfones adaptativos de canal único geram apenas um padrão  polar de banda larga por vez, independentemente do número ou espectro de fontes de  ruído presentes. O padrão polar é determinado pela localização da fonte de ruído 

intenso. Em contraste, MD adaptáveis multicanais podem gerar um padrão polar  direcional para cada um dos vários canais de frequência para diminuir a ênfase de ruídos  com diferentes frequências que são emitidas de diferentes direções. Portanto, se houver  apenas uma fonte de ruído em um ambiente, não há diferenças de desempenho entre  esses dois tipos de microfones. No entanto, as diferenças de desempenho entre os dois  tipos de microfone são esperados na presença de ruídos separados espacialmente com  ênfase em diferentes frequências. Nesta situação, os MD adaptativos multicanal devem  ser mais eficazes na melhoria da relação sinal-ruído em comparação com o MD com  único canal.9,10 

A simulação do efeito do pavilhão (SEP) é uma aplicação especial de um MD adaptativo  multicanal destinado a restaurar o efeito sombra de cabeça para aparelhos auditivos  tipo BTE. Ao usar um aparelho auditivo estilo BTE (incluindo aparelhos auditivos  receptores no canal), os sons são captados pelo microfone do aparelho auditivo sem  filtragem pelo pavilhão. Como consequência, as pistas espectrais monoaurais fornecidas  pelo pavilhão estão ausentes, resultando em um desempenho frente/trás ruins em BTEs  em comparação com aparelhos intra auriculares.11 

O SEP simula digitalmente as vantagens de direcionaidade fornecidas por um pavilhão,  manipulando os padrões polares de audição de aparelhos BTE com MD multicanal.  Normalmente, os padrões polares para as sons de baixa frequência são definidos para  um modo omnidirecional, enquanto o polar padrões para sons de alta frequência  (geralmente acima de 1000 Hz) são definidos para um modo direcional voltado para a  frente (por exemplo, hipercardióide). Usando este tipo de processamento, sons de alta  frequência que chegam nas costas são atenuadas e os sons de baixa frequência são  deixados intactos. Pesquisas independentes anteriores mostraram que, em comparação  a um microfone omnidirecional, o SEP pode produzir uma redução de erros de  localização frente/atrás, quando os estímulos de teste têm componentes de alta  frequência suficientes.12 

A sincronização bilateral é outra tecnologia descrita como tendo potencial para  melhorar a localização do som. Com esse recurso, os aparelhos auditivos esquerdo e  direito são conectados usando a tecnologia de transmissão sem fio. Assim, funções  como controle de volume, programa de aparelho auditivo, redução de ruído, o modo  dos microfones direcionais e as configurações de compressão teoricamente poderiam  ser coordenadas para os dois aparelhos auditivos. Como consequência, as dicas de  Diferença de Tempo Interaural (DTI) e Diferença de Nível Interaural (DNI) podem ser  preservadas, otimizando potencialmente o desempenho da localização sonora.8 

Apesar de as tecnologias mencionadas para melhorar o desempenho da localização  sonora estarem disponíveis no mercado de aparelhos auditivos, elas não estão  disponíveis em todos os modelos de aparelhos auditivos. Atualmente, a grande maioria  dos aparelhos auditivos de características básicas possuem DM adaptativos de canal único e uma função básica de sincronização que proporcionava controle bilateral de  volume e programa. Já os aparelhos auditivos de recursos avançados possuem MD  adaptativos multicanal, SEP e uma função de sincronização avançada que permite não  apenas o volume binaural e o controle do programa, mas também a coordenação das  configurações de redução de ruído e direcionalidade entre os dois dispositivos.8  

Além disso, os aparelhos auditivos de recursos avançados apresentam outras versões  mais avançadas de recursos em comparação com os aparelhos auditivos de recursos  básicos, incluindo mais canais de compressão, cancelamento de feedback mais  avançado e algoritmos de redução de ruído mais avançados. Dadas essas capacidades  avançadas, pode-se presumir que os aparelhos auditivos de recursos avançados  superariam os aparelhos auditivos de recursos básicos em termos de localização de som.  No entanto, há evidências independentes limitadas para apoiar essa noção, e as  evidências que existem tendem a ter sido conduzidas em condições de laboratório com  outros recursos desativados. Portanto, é muito importante avaliar esses fatores para  escolha da tecnologia adequada, levando em consideração os resultados de localização  com aparelhos auditivos de características avançadas com aqueles com aparelhos  auditivos de características básicas quando ambos os tipos de modelos são usados como  na vida diária, com todos os recursos de processamento de som ativos  simultaneamente.

REFERÊNCIAS  

1- Chien, W., & Lin, F. R. Prevalence of hearing aid use among older adults in the  United States. Arch Intern Med. 2012; 172: 292–93.  

2- Almeida GF, Tenório JP, Lima KMN, Santos MBS, Andrade KCL. O impacto da  tecnologia dos aparelhos auditivos nas situações de vida diária: a perspectiva do  paciente. Distúrb Comun, São Paulo, 29(2): 385-387, junho, 2017.  

3- Cox RMI, Johnson JA, Xu J. Impact of hearing aid technology on outcomes in daily  life I: the patients’ perspective. Ear & Hearing. 2016; Jul-Aug;37(4):224-37.  

4- Kochkin, S. (2003). MarkeTrak VI: On the issue of value: Hearing aid benefit,  price, satisfaction, and repurchase rates. Hear Rev, 10, 12–26.  

5- Cox RMI, Johnson JA, Xu J. Impact of Hearing Aid Technology on Outcomes in  Daily Life II: Speech Understanding and Listening Effort. Ear & Hearing. 2016; Jul Aug;37(5):529-540. 

6- Hornsby, B. W. (2013). The effects of hearing aid use on listening effort and  mental fatigue associated with sustained speech processing demands.Ear Hear,  34, 523–534.  

7- Bentler, R., Wu, Y. H., Kettel, J., et al. (2008). Digital noise reduction: Outcomes  from laboratory and field studies. Int J Audiol, 47, 447–460.  

8- Sarampalis, A., Kalluri, S., Edwards, B., et al. (2009). Objective measures of  listening effort: Effects of background noise and noise reduction. J Speech Lang  Hear Res, 52, 1230–1240.  

9- Cox RMI, Johnson JA, Xu J. Impact of Hearing Aid Technology on Outcomes in  Daily Life III: Localization. Ear Hear. 2017; Nov-Dec; 38(6): 746–759.  

10- Chung, K., Neuman, A. C., Higgins, M. (2008). Effects of in-the-ear microfone  directionality on sound direction identification. J Acoust Soc Am, 123, 2264–2275  

11- Jensen, N. S., Neher, T., Laugesen, S., et al. (2013). Laboratory and field study of  the potential benefits of pinna cue-preserving hearing aids. Trends Amplif, 17,  171–188.  

12- Keidser, G., O’Brien, A., Hain, J. U., et al. (2009). The effect of  frequencydependent microphone directionality on horizontal localization  performance in hearing-aid users. Int J Audiol, 48, 789–803.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: