Processamento Auditivo Central

A audição é uma função sensorial importante para o desenvolvimento da linguagem e esta revela uma influência fundamental na comunicação oral e escrita (Terto, S. & Lemos, 2011). Ouvir vai além da simples detecção do sinal acústico, pois envolve circuitos de funcionamento neurais e sistemas cognitivos cruciais para decodificar, perceber, discriminar e analisar o som. A função auditiva tem um importante papel na análise e diferenciação do estímulo auditivo sejam eles não-verbais ou verbais de alta complexidade (Amaral, M. & Colella-Santos, 2010). 

Um sistema auditivo íntegro garante que as competências ligadas à comunicação humana evoluam de modo a satisfazer as necessidades de interação com o meio, visto que, tanto em crianças como em adultos, a linguagem tem papel essencial para a comunicação (Vygotsky, 1989). 

Importa dizer que comunicar obedece a códigos e é praticamente inevitável não estar em comunicação com o outro. Todos os atos humanos têm um valor comunicacional. A comunicação se baseia na identificação que temos com o outro e os sentimentos e responsabilidades que envolvem o ato de comunicar. Compreender o funcionamento da comunicação nos permite entender e sermos entendidos (A. Carvalho; C. Matos; C. Minderico, 2017). 

O processamento auditivo (PA) refere-se a análise do som realizada na porção central da via auditiva, iniciada no primeiro núcleo sináptico, próximo à cóclea, até chegar ao córtex. Quando há um funcionamento inadequado em um ou mais núcleos do sistema nervoso auditivo central, podemos ter dificuldade em analisar o som, o que se configura numa possível defasagem nas habilidades auditivas de localização, atenção ao som, memória, figura-fundo, discriminação e análise acústica, denominado transtorno do Processamento Auditivo (American Academy of Audiology, 2010). 

Ainda que uma pessoa tenha acuidade auditiva para detectar sons sutis, poderá manifestar dificuldades em perceber a fala em função de alterações nas vias que transmitem o som até o córtex auditivo (Braga, B., Pereira, L., Dias, 2015). 

E como podemos identificar as manifestações comportamentais do transtorno do processamento auditivo central? 

A presença de características como:

● ser facilmente distraído; 

● respostas inadequadas;

● dificuldade em perceber a fala em ambientes ruidosos; 

● dificuldades em seguir instruções predominantemente auditivas; 

● dificuldades com as rimas ou músicas infantis; 

● dificuldades no desenvolvimento da leitura e da escrita; 

● pedidos frequentes da repetição (o quê?); 

● dificuldades para perceber sarcasmo e piadas,

podem-nos dar indicação para procurar uma avaliação multidisciplinar do processamento auditivo. 

O Transtorno do Processamento Auditivo (PPA) constitui uma disfunção significativa por trazer prejuízos à função auditiva, que segundo a classificação internacional de funcionalidade (CIF) é uma disfunção sensorial que dificulta sentir a presença de sons e discriminar os sons da fala, a localização, o timbre, a intensidade e a qualidade dos sons (OMS, 2004). 

Indivíduos com transtorno do processamento auditivo podem ter incertezas no que respeita às informações auditivas e em ambientes acusticamente desfavoráveis, há um agravamento considerável na percepção da fala o que pode levar a falhas na compreensão de fala e no desenvolvimento da linguagem e académico (Jerger & Musiek, 2000). 

O diagnóstico do transtorno do processamento auditivo é uma etapa fundamental na avaliação audiológica, sobretudo, em indivíduos com dificuldades na análise da informação auditiva que pode indicar lapsos no funcionamento do sistema nervoso central. A avaliação servirá de suporte ao audiologista na apreciação das habilidade auditivas que o indivíduo é capaz ou não de efetuar (Nunes, C. in Monteiro, L. & Subtil, 2016). 

É recomendado que a avaliação diagnóstica do processamento auditivo seja realizada, preferencialmente, após os 7 anos de idade, devido à maturação neurológica do sistema nervoso auditivo central, contudo, um número crescente de especialistas têm vindo a propor, mais recentemente, a utilização de rastreios e checklists, em crianças mais novas, objetivando identificar o risco para o transtorno do processamento auditivo, de modo a fornecer recomendações de acompanhamento e desenvolvimento das habilidades auditivas. Tanto a American Speech-language-hearing Association (ASHA) como a American Academy of Audiology (AAA) apoiam essa iniciativa desde que o fonoaudiólogo seja cauteloso com as interpretações dos resultados (Lucker, 2015). 

Questionários e escalas de comportamento auditivo podem fornecer uma referência para o transtorno do processamento auditivo em crianças menores de 7 anos. Essas ferramentas de avaliação são mais abrangentes e projetadas especificamente para as configurações familiares e escolares, sendo aconselhadas para uma abordagem colaborativa com pais e educadores (Zhanneta, 2016). 

A utilização de um instrumento para o rastreio auditivo, que conta com testes de localização sonora, memória sequencial verbal e memória sequencial não verbal é denominada como uma avaliação simplificada do processamento auditivo. Pesquisas científicas, em que os três testes foram utilizados, mostram que há chances reais, em torno de 80%, para identificar um transtorno do processamento auditivo em crianças entre 4 e 6 anos de idade e de 50% em crianças maiores de 6 anos de idade. Outros estudos demonstram que há uma inclinação para associação dos resultados com queixas de dificuldade na leitura (C. Nunes, 2015). 

O processamento ineficiente da informação sonora, pode gerar inibição do desenvolvimento de vocabulário, sintático, semântico e em última análise, académico visto que, tal transtorno é uma condição que dificulta o reconhecimento das diferenças sutis entre os sons da fala (American Academy of Audiology, 2010). De acordo com essa perspetiva, o processamento auditivo ineficaz pode, portanto, manifestar-se através de transtornos da comunicação ou dificuldades académicas (Auditory Processing Assessment, n.d.) 

Programas de estimulação auditiva têm sido utilizados para desenvolver as habilidades do processamento auditivo, favorecendo o desenvolvimento e fortalecimento das habilidades auditivas, o que tende a colaborar para a otimização da linguagem oral e escrita (BSA, 2011). 

O fonoaudiólogo é o profissional responsável pela intervenção com o transtorno do processamento auditivo. O treinamento auditivo investe na neuroplasticidade, e esta é a capacidade que o cérebro humano tem de se reorganizar, efetuando novas conexões neurais, ao longo da vida. Para além do treinamento auditivo, também são propostas estratégias de modificação ambiental e estratégias compensatórias. 

Por fim, os programas de intervenção devem conter atividades estruturadas, sistemáticas e frequentes considerando a(s) queixa(s) apresentada(s), o histórico do caso e os resultados da avaliação multidisciplinar, por forma a trazer aumento para as habilidades perceptivas auditivas, bem como, dirimir as queixas sentidas na linguagem e na comunicação.

Bibliografia: 

Amaral, M. & Colella-Santos, M. (2010). Temporal resolution: Performance of school-aged children in the GIN – Gaps-in-noise test. Brazilian Journal of

Otorhinolaryngology, 76(6), 745–752. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.1590/S1808-86942010000600013 American Academy of Audiology. (2010). Guidelines for the Diagnosis, Treatment and Management of Children and Adults with Central Auditory Processing Disorder. American Academy of Audiology. Obtido de http://www.citeulike.org/group/12655/article/9445717 

American Psychological, A. (2010). Concise Rules of APA Style. Intellectual Property. https://doi.org/10.1006/mgme.2001.3260 

Andrade, Olga; Andrade, Paulo; Capellini, S. (2014). Modelo de Resposta à Intervenção (RTI): como identificar e intervir com crianças de risco para os transtornos de aprendizagem

Auditory Processing Assessment. (2015). Auditory Processing Assessment. Journal of Educational, Pediatric & (Re) Habilitative Audiology (JEPRA). Obtido de http://edaud.org/read-the-journal/ 

Bellis, T. J. (sem data). Understanding Auditory Processing Disorders in Children. Obtido de http://www.asha.org/public/hearing/Understanding-Auditory-Processing-Disorders in-Children/ 

Bradley, L., & Bryant, P. E. (1983). Categorizing sounds and learning to read – A causal connection. Nature. https://doi.org/10.1038/301419a0 

Braga, B., Pereira, L., Dias, K. (2015). CRITÉRIOS DE NORMALIDADE DOS TESTES DE RESOLUÇÃO TEMPORAL: RANDOM GAP DETECTION TEST E GAPS-IN-NOISE Normality tests of temporal resolution: Random Gap Detection Test and Gaps-In-Noise. Maio-Jun, 17(3), 836–846. 

BSA. (2011). Practice Guidance An overview of current management of auditory processing disorder ( APD ). British Society of Audiology, (August), 1–60. Obtido de 

http://www.thebsa.org.uk/wp-content/uploads/2014/04/BSA_APD_Management_1 Aug11_FINAL_amended17Oct11.pdf 

Cardoso, A. M. de S., Silva, M. M. da, & Pereira, M. M. de B. (2013). Phonological awareness and the working memory of children with and without literacy difficulties. CoDAS, 25(2), 110–4. https://doi.org/2013;25(2):110-14 

Central Auditory Processing Disorder. (sem data). Obtido 18 de Junho de 2018, de https://www.asha.org/PRPSpecificTopic.aspx?folderid=8589943561&section=Refe rences 

César, A. B. P. de C. (2018). Programa fonoaudiológico de intervenção multissensorial para sujeitos com dislexia: aplicação e significãncia clínica. Universidade Estadual Paulista «Júlio de Mesquita Filho». 

Eugénia Enes da Silva. (2008). INVESTIGAÇÃO PASSOAPASSO Perguntas e Respostas Essenciais para a Investigação Clínica. (L. Focom XXI, Ed.) (1a edição). Lisboa: 2008. 

Faria, B. S. de, Oliveira, K. V. de, Silva, J. P. G. e, Reis, C., Ghio, A., & Gama, A. C. C. (2012). Medidas eletroglotográficas em falantes do português brasileiro por meio do Método Multiparamétrico de Avaliação Vocal Objetiva Assistida (EVA).

Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, 78(4), 29–34. https://doi.org/10.1590/S1808-86942012000400007 

Ibáñez, J., Logopeda, M., Zaidin-Granada, E., Belén, M., & Jiménez, M. (2015). Estimulación de la vía auditiva: materiales. Revista nacional e internacinal de educación inclusiva, 8(1), 134–147. 

Jerger, J., & Musiek, F. (2000). Report of the Consensus Conference on the Diagnosis of Auditory Processing Disorders in School-Aged Children. Journal of the American Academy of Audiology, 11(9), 467–474. 

Lucker, L. (2015). Jay R. Lucker. (2015). Auditory Processing Abilities In Children: When To Test? AUDIOLOGY TODAY, 27(1).Auditory Processing Abilities In Children: When To Test? AUDIOLOGY TODAY, 27(1). 

Maria Clara Pinheiro Capucho. (2017). Avaliação ultidimensional na voz profissional. Universidade Nova de Lisboa. Obtido de https://run.unl.pt/bitstream/10362/31473/1/Capucho Clara TD 2018.pdf 

Martins, I., Carvalho, G. S., Nunes, C. L., & Capellini, S. A. (2017). Avaliação e comparação de competências auditivas e cognitivo-linguísticas em crianças de idade escolar. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, (09), 59. https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.09.2589 

Medwetsky, L. (2011). Spoken Language Processing Model: Bridging Auditory and Language Processing to Guide Assessment and Intervention. Language Speech and Hearing Services in Schools, 42(3), 286. https://doi.org/10.1044/0161-1461(2011/10-0036) 

Nunes, C. & Frota, S. (2006). Audio training: fundamentação teórica e prática. São Paulo: AM3 ARTES. 

Nunes, C. (2012). A avaliação do Processamento Auditivo em crianças de 10 a 13 anos : sua função como indicador da perturbação da comunicação e do desempenho académico . Universidade do Minho. 

Nunes, C. (2015). Processamento Auditivo – conhecer, avaliar e intervir. (Papa-letras, Ed.). Lisboa. 

Nunes, C. L., & Pereira, L. D. (2013). Scale of Auditory Behaviors e testes comportamentais para avaliação do processamento auditivo em crianças falantes do português europeu. Artigo Original Original Article CoDAS, 25(3), 209–15. 

Nunes, C. L., Pereira, L. D., & Carvalho, G. S. de. (2013). Scale of Auditory Behaviors and auditory behavior tests for auditory processing assessment in Portuguese children. CoDAS. https://doi.org/10.1590/S2317-17822013000300004 

Powers, S. J., Wang, Y., Beach, S. D., Sideridis, G. D., & Gaab, N. (2016). Examining the relationship between home literacy environment and neural correlates of phonological processing in beginning readers with and without a familial risk for dyslexia: an fMRI study. Annals of Dyslexia, 66(3), 337–360. https://doi.org/10.1007/s11881-016-0134-2 

Richard, G. J. (2012). Primary Issues for the Speech-Language Pathologist to Consider in Regard to Diagnosis of Auditory Processing Disorder. Perspectives on Language Learning and Education, 19(3), 78. https://doi.org/10.1044/lle19.3.78

Rodrigues, A., & Befi-lopes, D. M. (2009). Memória operacional fonológica e suas relações com o desenvolvimento da linguagem infantil. Resvista de atualização Cientifica, 21(1), 63–68. https://doi.org/10.1590/S0104-56872009000100011 

Salgado, C. A., & Capellini, S. A. (2008). Programa de remediação fonológica em escolares com dislexia do desenvolvimento. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, 20(1), 31–36. https://doi.org/10.1590/S0104-56872008000100006 

Samelli, A. G., & Mecca, F. F. D. N. (2010). Treinamento auditivo para transtorno do processamento auditivo: uma proposta de intervenção terapêutica. Revista CEFAC, 12(2), 235–241. https://doi.org/10.1590/S1516-18462010005000006 

Santos, B. dos. (2017). Programa de intervenção com a nomeação automática rápida e leitura: Estudo Piloto. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP. 

Silva, C., & Capellini, S. A. (2010). Eficácia do Programa de Remediação Fonológica e Leitura no distúrbio de aprendizagem. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, 22(2), 131–138. https://doi.org/10.1590/S0104-56872010000200011 

Silva, C. da, & Capellini, S. A. (2015). Eficácia de um programa de intervenção fonológica em escolares de risco para a dislexia. Revista CEFAC, 17(6), 1827–1837. https://doi.org/10.1590/1982-021620151760215 

Vanvooren, S., Poelmans, H., De Vos, A., Ghesquière, P., & Wouters, J. (2017). Do prereaders’ auditory processing and speech perception predict later literacy? Research in Developmental Disabilities, 70(July), 138–151. https://doi.org/10.1016/j.ridd.2017.09.005 

Vilela, N., Barrozo, T., Pagan-Neves, L., Sanches, S., Wertzner, H., & Carvallo, R. (2016). The influence of (central) auditory processing disorder on the severity of speech-sound disorders in children. Clinics, 70(2), 62–68. https://doi.org/10.6061/clinics/2016(02)02 

Wagner, R. K., & Torgesen, J. K. (1987). The nature of phonological processing and its causal role in the acquisition of reading skills. Psychological Bulletin, 101(2), 192–212. https://doi.org/10.1037/0033-2909.101.2.192 

Weihing, J., Chermak, G., & Musiek, F. (2015). Auditory Training for Central Auditory Processing Disorder. Seminars in Hearing, 36(04), 199–215. https://doi.org/10.1055/s-0035-1564458 

White-Schwoch, T., Woodruff Carr, K., Thompson, E. C., Anderson, S., Nicol, T., Bradlow, A. R., … Kraus, N. (2015). Auditory Processing in Noise: A Preschool Biomarker for Literacy. PLOS Biology, 13(7), e1002196. https://doi.org/10.1371/journal.pbio.1002196 

Zhanneta, S. (2016, Dezembro 1). Don’t Wait to Diagnose Auditory Processing Disorder. The ASHA Leader, 21(12), 34–35. https://doi.org/10.1044/leader.SCM.21122016.34

Um comentário em “Processamento Auditivo Central

  1. Olá muito bom dia e feliz Domingo!

    Chamo-me Ricardo Miranda e sou presidente da OUVIR – Associação Portuguesa de Portadores de Próteses e Implantes Auditivos (https://ouvir.pt) -, a principal associação em Portugal que representa e defende as pessoas com deficiência auditiva. Actualmente, a OUVIR está filiada na CNOD – Confederação Nacional das Organizações de Pessoas com Deficiência, e somos membros da European Federation of Hard Of Hearing People, bem como do Fórum Mundial da Audição da Organização Mundial de Saúde nas Nações Unidas.

    Temos interesse no seu curriculum como profissional de saúde auditiva que tanto apreciamos, e gostaríamos de convidá-la a inscrever e pertencer à nossa associação na qualidade de sócia profissional, assim como convidá-la para futuros eventos ou iniciativas futuras.

    Se quiser contactar-nos sem ser pelo blog, estamos nas nossas redes sociais, e o nosso email é ouvir.apppia@gmail.com .
    Agradecemos imenso a sua atenção e consideração, e ficaremos a aguardar por um feedback à nossa mensagem.

    Melhores cumprimentos

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: