Exames auditivos nas diferentes fases da vida – Infância, adultos e idosos

O Relatório Mundial sobre Audição, publicado em 2021 pela Organização Mundial da  Saúde (OMS), indica que mais de 1,5 bilhão de pessoas passam por algum declínio em sua  capacidade auditiva, a diminuição na audição que não é considerada deficiência, mas que pode  evoluir com o tempo, durante a vida e, deste total, ao menos 430 milhões precisarão de cuidados  especializados. A estimativa é que, até 2050, o número de pessoas com algum comprometimento  auditivo chegue a 2,5 bilhões em todo o mundo. 

A perda auditiva pode ser ocasionada por diversos fatores, entre eles os pré-natais, como  herança genética, malformações da orelha interna, infecções congênitas pelo vírus da rubéola,  citomegalovírus, herpes, toxoplasmose e sífilis; as perinatais, como anóxia, prematuridade,  hiperbilirrubinemia, traumatismo craniano e trauma acústico; e pós-natais, entre elas causas  metabólicas, como hipotireoidismo e diabetes, infecções virais como rubéola, varicela-zoster,  influenza, caxumba, citomegalovírus, meningite bacteriana, encefalite e otite média crônica. A  perda auditiva pode, também, ser advinda da exposição excessiva a ruídos e múltiplos fatores que  atuam sobre o ouvido interno ao longo da vida. 

A audição é extremamente importante para a aquisição da comunicação oral. A integridade  anatômica e funcional do sistema auditivo periférico e central e a exposição às experiências  auditivas constituem pré-requisitos para a aquisição e desenvolvimento da linguagem. Sendo  assim, a presença de uma deficiência auditiva compromete negativamente o processo de  aprendizagem, sociabilidade e comunicação da criança. Nas crianças e adolescentes podem ser  observados comprometimentos linguísticos, educacionais e psicossociais. Nos adultos e idosos,  geralmente se observa isolamento, com restrições de participação na vida social e familiar. A perda  auditiva ainda pode estar associada ao declínio cognitivo, depressão e redução do estado funcional. 

Portanto, o diagnóstico e a reabilitação da deficiência auditiva deveriam ser feitos de forma precoce, tanto nas crianças quanto nos indivíduos em outras fases da vida.  Assim, a triagem auditiva deveria ser um procedimento usual em escolas, hospitais, postos de saúde, clínicas e no próprio domicílio, para testagem de forma rápida, simples e barata de um  número elevado de indivíduos, assim teríamos o diagnóstico precoce e os encaminhamentos  necessários e as consequências da privação auditiva poderiam ser evitadas.

Para avaliar a audição existem exames que podem ser aplicados nas diferentes fases da  vida.  

A Triagem Auditiva Neonatal (TANU) é um direito do recém-nascido, garantido pela Lei  Federal nº 12.303 desde 2010. A TANU deve ser realizada em todos os recém-nascidos para a identificação daqueles com grande possibilidade de terem nascido com uma deficiência auditiva. O diagnóstico e o início do tratamento da deficiência auditiva devem ocorrer, no máximo até o terceiro mês de vida da criança, devido à grande plasticidade do sistema nervoso central nessa fase da vida.

As técnicas recomendadas atualmente são procedimentos eletrofisiológicos e eletroacústicos,  conhecidos como o registro das Emissões Otoacústicas Evocadas e o Potencial Evocado Auditivo  de Tronco Encefálico, considerados testes sensíveis e específicos para identificar as perdas  auditivas mais importantes, que podem afetar o desenvolvimento da linguagem e psicossocial das  crianças. Um desses testes é conhecido como o “Teste da Orelhinha”, em que a criança deve estar  quieta, calma e, preferencialmente dormindo e deve ser realizada por profissional habilitado. Lembrando que fonoaudiólogos e médicos são os únicos profissionais habilitados para realizar esse procedimento.  Se o “Teste da Orelhinha” mostrar resultado alterado, a criança deve realizar reteste dentro de 15 a 30 dias e se a alteração persistir, deve ser encaminhada imediatamente a um serviço de Saúde Auditiva para confirmação ou exclusão da perda auditiva.

Em crianças, comportamentos associados à desatenção, atraso na aquisição da fala, baixo  desempenho escolar e dificuldades no aprendizado também podem indicar a existência de algum  problema auditivo, por isso, mesmo que a criança tenha “passado” na Triagem Auditiva Neonatal,  os pais, professores, e profissionais de saúde e educação devem estar atentos a esses fatores. A  Triagem Auditiva Escolar (TAE) que ainda não faz parte da rotina escolar da maioria das escolas  brasileiras, poderia contribuir para o diagnóstico precoce da perda auditiva na infância.

Para crianças e adolescentes existem diversos testes subjetivos e objetivos que podem ser  realizados em cada fase, como questionários que podem ser aplicados com os pais e responsáveis que caracterizam o comportamento auditivo da criança, além de audiometria tonal, vocal e audiometria infantil (observação do comportamento auditivo para sons calibrados, audiometria lúdica condicionada, audiometria de reforço visual), indicados para avaliar os limiares de detecção auditiva e o reconhecimento de fala. As medidas de imitância acústica, avaliação eletrofisiológica da audição  e avaliação do processamento auditivo central, são testes que podem ser aplicados de acordo com  cada fase da vida infantil.

No caso dos jovens e adultos, as causas da perda auditiva podem estar relacionadas à  exposição a níveis elevados de pressão sonora como os hábitos recreacionais, como o uso de fones  de ouvido com volume aumentado por tempo prolongado e o ruído ocupacional. Perdas auditivas de origem metabólica, principalmente em pessoas com diabetes, além de outras doenças infecciosas, como a meningite e a caxumba podem ocorrer ao longo da vida. Nessa fase da vida a audiometria tonal e vocal, são os testes recomendados, por serem rápidos, indolores e confiáveis, porém, mesmo nessa fase outros testes podem ser necessários de acordo com a queixa do avaliado. As medidas de imitância  acústica para avaliar a mobilidade da membrana timpânica e a integridade do sistema tímpano ossicular e da via do reflexo estapédio ou acústico, são de grande importância, assim como as  emissões otoacústicas, para a monitorização de ototoxidade (seja ela decorrente de uma doença,  de um tratamento ou mesmo devido à exposição ao ruído), além de auxiliar na diferenciação entre  alterações auditivas cocleares e retrococleares.

O Potencial Evocado Auditivo de Tronco  Encefálico – PEATE, também conhecido como BERA, é um exame, que auxilia no diagnóstico topográfico de lesões auditivas, na pesquisa objetiva dos  limiares auditivos de pacientes que por alguma razão não podem ou não conseguem fazer uma  audiometria tonal limiar, para a checagem dos limiares psicoacústicos em otologia ocupacional e surdez psicogênica. Com o PEATE podemos obter, diagnóstico diferencial de doenças otológicas, e portanto, é uma avaliação  necessária em diversas fases da vida. 

No caso dos idosos, a principal causa da perda auditiva é presbiacusia, perda  auditiva decorrente do envelhecimento. Os idosos costumam demorar a procurar o médico para  fazer o diagnóstico deste tipo de a perda auditiva e, frequentemente, fazem a partir da queixa de seus  familiares. A aceleração do declínio cognitivo em idosos, como alteração de atenção e memória,  podem ser decorrentes da perda de audição não tratada. Outro fator importante é a relação da perda  auditiva não tratada e os índices de depressão nessa idade, grande parte devido ao isolamento social  e comunicativo ocasionado pela limitação sensorial auditiva.

Diante da dificuldade de ouvir ou de entender a fala, deve-se procurar um otorrinolaringologista e realizar os exames audiológicos com um fonoaudiólogo. Caso seja confirmado o diagnóstico de perda auditiva (permanente ou não), o tratamento indicado deve ser realizado o quanto antes.

No caso das perdas auditivas permanentes, a adaptação de aparelhos de amplificação  sonora individual (AASI) ou, em alguns casos, o implante coclear ou as próteses auditivas ancoradas  no osso podem ser indicados, otimizando a audição e minimizando os impactos na qualidade de vida da pessoa com a perda  auditiva. 

Diversos exames diagnósticos complementares podem ser indicados para avaliar a função auditiva e a função vestibular de acordo com a idade e queixa, exames  comportamentais, eletrofisiológicos, exames laboratoriais, exames de imagem podem ser  necessários para identificar uma alteração auditiva. O acompanhamento anual com  otorrinolaringologista (ou com menor periodicidade de acordo com a indicação médica) e avaliação  com profissional fonoaudiólogo é de grande importância e deve ser considerado pela população  em geral e em todas fases da vida.

Bibliografia  

Triagem Auditiva Neonatal Universa l (TANU): Implantação com ética, técnica e  responsabilidade. Guias e manuais do Conselho Federal de Fonoaudiologia.  http://www.fonoaudiologia.org.br. 

Pereira T., Costa K.C., Pomilio M.C.A., Costa S.M.S., Rodrigues G.R.I., Sartorato E.L.  Investigação etiológica da deficiência auditiva em neonatos identificados em um programa de  triagem auditiva neonatal universal. Rev CEFAC. 2014. 

Sliwinska-Kowalska M., Davis A. Noise-induced hearing loss. Noise Health. 2012. 

Ohlemiller K.K. Mechanisms and genes in human strial presbycusis from animal models. Brain  Res. 2009. 

Monteiro C.F.S., Caldas J.M.S., Leão N.C.M.A.A., Soares M.R. Suspeita da perda auditiva por  familiares. Rev CEFAC. 2009. 

Francelin M.A.S., Motti T.F.G., Morita I. As implicações sociais da deficiência auditiva adquirida  em adultos. Saúde soc. 2010. 

Cruz M.S., Oliveira L.R., Carandina L., Lima M.C.P., César C.L.G., Barros M.B.A., et al.  Prevalência de deficiência auditiva referida e causas atribuídas: um estudo de base populacional.  Cad Saude Publica.2009.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: