A importância do apoio familiar para a reabilitação auditiva – pequenas atitudes que ajudam muito a comunicação

A família precisa estar plenamente unida e engajada no processo terapêutico. Enquanto os terapeutas são apenas agentes de apoio, a família é o agente modificador da realidade das crianças (Bevilacqua, 1985), uma vez que a maior parte do tempo a criança está inserida no seio familiar e não no ambiente terapêutico.
Os pais e/ou cuidadores devem estar cientes que não é apenas colocar o AASI ou IC que tudo se resolverá. Todos que interagem com a criança precisam internalizar estratégias que auxiliem no desenvolvimento das habilidades auditivas e de linguagem.

E-book: Zumbido no ouvido

Além do nome mais conhecido, que é o zumbido no ouvido, existem outros nomes como acúfeno, tinido ou tinnitus.Independente da nomenclatura, o zumbido no ouvido é um grande problema auditivo que, muitas vezes, está associado à perda auditiva.Por isso, saber identificar o problema no início é primordial.Sendo assim, este material foi desenvolvido para que vocêContinuar lendo “E-book: Zumbido no ouvido”

Implante Coclear em pacientes com perda auditiva unilateral

O começo da perda auditiva unilateral costuma ser de forma abrupta e idiopático, por mínima que seja a assimetria entre as orelhas, tem o poder de proporcionar uma deficiência auditiva, principalmente no que se refere a situações com inúmeras pessoas falando ao mesmo tempo. Consequentemente, a perda total ou quase total da audição em um ouvido proporciona dificuldades na escuta na maioria das situações diárias dos sujeitos.

Audição e desenvolvimento de fala e linguagem

A audição é um dos pilares sensoriais para o desenvolvimento social como um todo – e também para a linguagem. Graças às nossas habilidades de percepção, conseguimos associar informações sensoriais que recebemos à nossa memória e cognição, de modo que formamos conceitos sobre o mundo e sobre o que acontece ao nosso redor. É assim que a linguagem se constitui: como uma gama de experiências, auditivas, visuais, táteis, somatossensoriais, que são transmitidas aos centros neurológicos, tendo como resultado significados diversos para essas vivências, que transformam esses conceitos em realidade.

Surdez súbita

A surdez súbita se caracteriza como uma surdez neurossensorial de aparecimento rápido, súbito como o próprio nome já diz. Seu acometimento é quase sempre unilateral, acompanhada de zumbidos em aproximadamente 80 por cento dos casos e de tonturas ou vertigens em quase 30 por cento das vezes. 

Tipos de perda auditiva

Ao contrário dessas situações de dificuldade auditiva temporária, a perda auditiva é permanente, causada por alguma lesão nas vias auditivas, e ocorre quando perdemos total ou parcialmente a habilidade de ouvir, variando em grau e intensidade. Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), a audição normal permite ouvir sons de até 25 decibéis ou mais baixos nos dois ouvidos; abaixo desse limiar, já se considera uma perda auditiva.

Reabilitação Auditiva Aurioral na criança: o que é e porque realizar?

A deficiência auditiva é uma alteração sensorial que acomete cerca de 466 milhões de pessoas em todo o mundo, sendo que deste total, 34 milhões são crianças (OMS, 2020). Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) esse número só tende a aumentar. Estima-se que em 2050, mais de 900 milhões de pessoas terá deficiência auditiva. 

O papel do implante coclear no tratamento da perda auditiva

O diagnóstico de uma perda auditiva pode impactar negativamente a vida profissional e social das pessoas portadoras da mesma. Embora as dificuldades e limitações causadas pela perda auditiva sejam inegáveis; atualmente, a maioria delas são passíveis de tratamento, o que minimiza significativamente essas limitações.